Postado em: 7 de abril de 2017
ENCONTRO RATIFICA CONDIÇÃO DE MAIOR EVENTO DO SEGMENTO

Os principais assuntos técnicos relacionados a seguros e resseguro estiveram em debate na sexta edição do Encontro de Resseguro do Rio de Janeiro. Organizado pela CNseg com apoio da Escola Nacional de Seguros e da Fenaber, o evento obteve grande sucesso, somando mais de 600 inscrições e contando com a presença de algumas das maiores empresas do setor. A Escola teve presença de destaque com a participação do presidente Robert Bittar na mesa solene de abertura, e dos executivos Renato Campos (diretor-geral) e Claudio Contador (diretor do Centro de Pesquisa e Economia do Seguro – CPES) como coordenadores de plenária.

No primeiro dia de atividades, o painel “Perspectivas para a Economia no Brasil” despertou grande interesse dos participantes. O palestrante Alexandre Schwartsman, doutor em Economia pela Universidade da Califórnia (Berkeley) e colunista dos jornais Folha de S.Paulo e Valor Econômico, abordou a crise econômica do País, desde os fatores que levaram a ela até o atual momento de início de recuperação.

Após a palestra de Schwartsman, Andrea Keenan, chefe de relações da A.M. Best e responsável pelas relações e comunicações da A.M. Best Rating Services nas Américas, analisou o momento do Brasil sob a perspectiva do risco-país, comparando os dados nacionais com os de outros países, como China, Índia, Chile e Colômbia. Claudio Contador foi o coordenador da mesa e alertou para o que chamou de “efeito catraca perverso”. “Insistimos em errar na escolha dos governantes, que, por sua vez, também insistem em cometer os mesmos erros”, afirmou.

O destaque do segundo dia foi a palestra “O Futuro das Organizações”, ministrada por Tiago Mattos, futurista, empreendedor e educador. Ao longo de sua explanação, Mattos propôs uma migração dos modelos tradicionais de ensino e das relações de trabalho para outros mais flexíveis, que privilegiam a criatividade, a liberdade de pensamento e a multidisciplinaridade. “Fomos educados em um modelo linear industrial, segmentado, previsível e repetitivo, o que pode ser frustrante e limitante. Não acredito no conceito tradicional de carreira, mas em ciclos de aprendizado”, defendeu.

Em sua intervenção, o coordenador do painel, Renato Campos (foto), lembrou que o mercado de seguros passou por inúmeras transformações ao longo dos últimos 40 anos. “Crescemos e nos adaptamos muito até aqui, temos que continuar promovendo esses ciclos de renovação”, disse. O papel da Escola enquanto instituição de ensino também foi destacado por Campos. “Precisamos estar atentos às mudanças do setor, aos novos comportamentos dos consumidores e às tendências tecnológicas, para conseguir preparar os nossos profissionais para esse futuro que está por chegar”, finalizou.

A Escola também marcou presença com espaço para venda de publicações e distribuição de material promocional. Além de Robert Bittar, Renato Campos e Claudio Contador, outros membros da diretoria que compareceram ao evento foram Maria Helena Monteiro (diretora de Ensino Técnico), Mario Pinto (diretor de Ensino Superior), Paola Casado (diretora administrativo-financeira), Lauro Faria (assessor da Diretoria Geral) e Carla Pieroni (superintendente de Comunicação e Marketing).

DEIXE UM COMENTÁRIO