Postado em: 5 de fevereiro de 2018
ESTUDO APONTA QUE ECONOMIA GLOBAL CRESCERÁ 3,7% EM 2018

Pesquisa realizada pelo Serviço de Estudos da Mapfre aponta que a economia global pode crescer até 3,7% este ano, um décimo a mais do que o esperado em 2017, e reforça que a atividade econômica global mostra sinais de estabilização. O relatório “Panorama econômico e setorial 2018” prevê ainda para este ano uma aceleração na contribuição para o crescimento mundial de mercados desenvolvidos (acima de 2%) e de mercados emergentes (4,9%) puxados pela China e pela saída da recessão do Brasil e da Rússia.

De acordo com o levantamento, a inflação tende a permanecer contida, embora seja mantida entre os objetivos dos bancos centrais e, com as taxas de juros de longo prazo crescendo, com tímidas melhoras em seus prêmios por prazo. Além disso, o prognóstico do estudo aponta que a taxa de juros oficial dos Estados Unidos fique em aproximadamente 2% até o final de 2018, enquanto a taxa do Banco Central Europeu (BCE) se manterá em 0%.

O estudo revela ainda que a economia brasileira consolidou sua recuperação, tendo crescido mais do que o esperado em 2017. Essa tendência de crescimento sustenta expectativas positivas no que diz respeito a estabilidade financeira e inflação. “Apesar de todo desenvolvimento, o Brasil passa por um momento crítico, no qual precisa reposicionar-se para enfrentar desafios a longo prazo e apresentar novas perspectivas de investimentos para o futuro”, explica Manuel Aguilera, diretor-geral do Serviço de Estudos da Mapfre.

Mercado de seguros

A pesquisa estima que o setor terá um incremento a nível global. O desenvolvimento do comércio mundial e investimentos em novas tecnologias, são dois fatores que podem impactar no setor.

Essa elevação no mercado se dará pelas economias emergentes, que apresentam maior elasticidade no ramo de seguros. Nos mercados desenvolvidos, a expansão do setor estará apoiada nas políticas monetárias.

A Reserva Federal dos Estados Unidos já está em um processo gradual de aumento das taxas de juros, contudo essa estimativa pode ser equilibrada ao longo do ano. Na zona do euro, está descartada qualquer aumento de taxa antes do final de 2019, embora é anunciada uma agenda de normalização monetária, com uma redução no volume de ativos.

Espanha lidera economia europeia

Estimativas do estudo apontam que a Espanha mantém seu crescimento econômico na liderança da Europa, mas dificilmente repetirá o êxito registrado em 2017. De acordo com o levantamento, a situação política torna o crescimento previsível de 2018 em cerca de 2,6%, porcentagem inferior aos 3,1% de 2017, mas que representa um crescimento superior à sua jornada de longo prazo.

Caso o ambiente político melhore na Espanha e as reformas estruturais, realizadas no passado, ampliem a margem de crescimento, essa previsão terá aumento nos riscos. Também é preciso considerar que a taxa de desemprego já está no limite estrutural (cerca de 16%), o que, na ausência de reformas, apresenta desafios para aumentar a atividade de maneira sustentável.

Risco Global

O relatório ainda indica que as crescentes tensões entre a Coreia do Norte e os Estados Unidos podem atingir diretamente as previsões macroeconômicas para 2018. Este risco somado aos possíveis erros de implementação na política econômica nos Estados Unidos e na China e, em nível doméstico, podem dar força a correntes populistas mais relutantes em implementar reformas estruturais amplas que possam dificultar o processo de crescimento econômico.

Ilustração – Pixabay

DEIXE UM COMENTÁRIO